Logística interna | Téchne

Planejamento

Logística interna

Como o transporte horizontal e vertical de materiais e pessoas interfere na produtividade e qualidade das obras

Por Laurimar Coelho
Edição 158 - Maio/2010

Marcelo Scandaroli
Carrinho de mão para transporte de blocos: ergonomia, menos quebras e produtividade maior
Prazo, custo e qualidade. É sobre esse tripé que deve funcionar um canteiro de obras. E a logística de transporte de materiais e pessoas no cotidiano da construção torna-se fundamental para atingir esse objetivo. Segundo Carlos Torres Formoso, professor do Núcleo Orientado para a Inovação da Edificação, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, no Brasil há muitas deficiências na oferta de equipamentos adequados ao setor da construção. "As empresas mais tradicionais utilizam equipamentos convencionais, tais como elevadores, guincho de coluna, giricas etc. Já as empresas mais modernas investem em equipamentos de maior impacto tais como gruas, guindastes, bombas e silos.

É muito importante que a empresa melhore o seu planejamento logístico para que possa efetivamente se beneficiar desses equipamentos de maior porte." Formoso explica que algumas empresas optam por não adotar tais equipamentos por não conseguirem tirar todo o benefício potencial deles, por não terem uma boa capacitação em gestão da produção.

Mas Daniel Toti, engenheiro de obras da construtora Adolpho Lindenberg, salienta que em um mercado competitivo como o brasileiro é necessário sempre investir em equipamentos de transporte para diminuir os ciclos de execução dos serviços. "Com a grua, por exemplo, é possível reduzir o tempo de execução da estrutura, pois possibilita a armação dos pilares e vigas no térreo enquanto a fôrma do pavimento é montada, conseguindo diminuir em alguns casos de sete para cinco dias o prazo de execução de cada laje. Além de permitir o uso de peças pré-moldadas."

Na opinião do engenheiro, o prazo curto para entrega na maioria das obras é o que exige dos profissionais da construção um planejamento mais eficiente na escolha dos equipamentos e quando eles vão operar. "Um gargalo que encontramos hoje é o transporte vertical dos materiais, se o planejamento não for bem-feito, afetará diretamente o prazo de entrega da obra. É vital considerar a quantidade, o tipo e a velocidade exigida de transporte de cada material, para com essas informações decidir os recursos que serão necessários."

Marcelo Scandaroli
É preciso estar atento às regras de uso do elevador de carga e jamais compartilhar com o transporte de trabalhadores
Mais viáveis
Toti enfatiza que o aquecimento do mercado, a escassez e o aumento no custo da mão de obra tornaram o uso dos equipamentos mais viáveis economicamente e indispensáveis para o cumprimento dos prazos cada vez menores. Para Formoso, é difícil encontrar empresas que seguem critérios rigorosos de planejamento das operações de transporte. "Isso acaba causando muitas perdas, tais como excesso de estoques, horas paradas em função de vias de acesso de materiais bloqueadas, movimentações desnecessárias dos trabalhadores, excesso de operações de transportes. Ou seja, resulta em muitas atividades que não agregam valor, cujos custos são difíceis de mensurar pelos sistemas de custeio convencionais."

Ubiraci Espinelli, professor da Poli-USP e diretor técnico da Produtime - empresa do setor de gestão e tecnologia, afirma que quando se avalia o tempo de mão de obra disponível, 1/3 diz respeito à movimentação no canteiro. "Um bom equipamento de transporte não gera desperdício de material. Há os que são locados por mês e outros por hora. Além disso, há os que têm restrições para seu uso como no caso das gruas, que exigem amplo espaço de operação e sua aplicação deve seguir normas de segurança que levam em conta até quem circula no entorno da obra. Portanto, deve-se avaliar cada etapa da obra e utilizar critérios eliminatórios na escolha dos equipamentos."

Em geral, o engenheiro de planejamento estuda os recursos necessários e prevê nos orçamentos, e o engenheiro residente é responsável pela contratação e programação da data de entrega do equipamento na obra.

Escolha certa
Na hora de programar o uso de equipamentos de transporte é importante avaliar quais as condições do canteiro e de que forma os materiais serão transportados. O mercado oferece equipamentos para transporte horizontal e vertical. Entre os horizontais estão as giricas, pórtico, carrinhos porta-palete, tratores, Dumper e Bobcat. Já os verticais são as gruas, os guinchos, elevadores (de cabo e cremalheira), guindastes e equipamentos de bombeamento de concreto ou argamassa. Além disso, alguns equipamentos de grande porte levam até cinco dias para serem montados, prazo que deve ser considerado para o bom andamento da obra.

"A cremalheira, por exemplo, precisa de uma base de concreto armado. Já a grua pode ser fixada na base de concreto armado ou no pilar do poço do elevador e a minigrua é fixada na laje", explica Toti. Vale salientar que a cremalheira deve ser instalada a partir do momento em que o edifício tiver pelo menos quatro pavimentos para o transporte dos operários. Os demais dependem de cada situação de obra.

Normas técnicas
Duas normas técnicas regulamentam o uso de equipamentos de transporte em obras. A NR-18 normatiza as "Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção" e possui um item específico para "Movimentação e Transporte de Materiais e Pessoas". A NB 233 regulamenta "Elevadores de Segurança para Canteiros de Obras de Construção Civil" e estabelece as condições mínimas para projeto e execução de elevadores de obra.

O professor Formoso alerta que existe a necessidade de planejar as vias de acesso em vários momentos ao longo da obra, já que o canteiro vai se modificando à medida que alguns processos terminam e outros começam. "É importante ter sinalização, boa manutenção dos equipamentos e, no caso de equipamentos de grande porte, atentar para riscos de acidentes. A utilização de grua ou guindastes, por exemplo, elimina vários riscos de acidentes e doenças do trabalho.

Mas, se mal-administrados, podem criar riscos de alto nível de gravidade." Outro detalhe importante é a contratação de mão de obra especializada para a operação desses equipamentos. O sistema de segurança das gruas, por exemplo, é feito por sensores e computadores que gerenciam toda tarefa de içamento, indicando no display, em tempo real, carga içada, raio utilizado e velocidade empenhada na operação.

Produtos & Técnicas

Grua

Divulgação: Central Locadora
Equipamento de grande porte ideal para o transporte de armação. Sua estrutura metálica pode ter altura de trabalho de 10 m até 150 m ou mais. Em geral é equipada com sistema eletrônico de acionamento fazendo com que trabalhe mais suavemente, com arranque menos brusco acarretando menores manutenções e menor desgaste, inclusive com maior economia no consumo de energia elétrica. Em geral, uma com 70 t de capacidade e 100 m de altura sai em torno de R$ 30 mil por mês.
 
Central Locadora de Gruas
www.centrallocadora.com.br
(11) 3687-0444


Elevador de cremalheira

Divulgação: Central Locadora
Sua cabine se movimenta ao longo de uma torre metálica por meio do sistema de pinhão e cremalheira, diferentemente do elevador de obra convencional, movido pela ação de cabos de aço. Instalado no início da fase de estrutura da obra, logo após as fundações, o equipamento é utilizado até o término da construção. Comparado ao elevador convencional, o cremalheira é mais seguro e reduz o risco de acidentes. O valor do aluguel depende do número de paradas, carga e sua altura. É alugado em média por R$ 7 mil por mês.

Central Locadora de Gruas
www.centrallocadora.com.br
(11) 3687-0444 


Minigrua
Montada no topo da torre do guincho, ela oferece grandes facilidades na subida das telas soldadas ao pavimento em fôrmas, sem a necessidade de grua ou da complexa operação de enrolar as telas para subi-las pelo elevador, e posteriormente desenrolá-las para montagem na fôrma. Com a capacidade de carga máxima de 150 kg, permite também a subida de ferragens dobradas ou outros materiais pesados que não cabem no elevador como caixilhos, estruturas metálicas etc. Um equipamento com 6 m de lança, 500 kg de carga, 9 m de altura e acionamento eletrônico sai por R$ 5 mil por mês.

Central Locadora
www.centrallocadora.com.br.
(11) 3687-0444


Guindaste

Divulgação: Locar
Constituído normalmente por uma torre equipada com cabos e roldanas que é usada para levantar e baixar materiais. São habitualmente estruturas temporárias fixadas no chão ou montadas num veículo especial. O valor do guindaste é cobrado por hora e com um padrão pré-estabelecido por todas as empresas de guindastes considerando-se dez horas mínimas para todos os equipamentos, e os valores são cobrados conforme a capacidade técnica de cada guindaste, dependendo de suas tabelas e gráficos de cada veículo, sendo que quanto maior a capacidade do guindaste, maior será o valor hora de cada equipamento. Um com capacidadede 50 t custa, em média, R$ 300,00 por hora.

www.locar.com.br
(11) 3545-0500

Divulgação: Scanmetal

 

Carrinho porta-paletes
Transporte de cerâmica, blocos etc. Um com capacidade para 20 blocos grandes sai por R$ 865,63 para venda. Em geral, o empreiteiro de mão de obra do serviço fornece esse equipamento.

Scanmetal
www.scanmetal.com.br.
(11) 2797-7226


Miniguincho

Divulgação: Locguel
Equipamento para transporte de pequenos objetos. Um com capacidade para 300 kg sai em média R$ 500,00 mês com 60 m de cabo e caçamba de 80 l.

Locguel Locadora de Equipamentos
www.locguel.com.br.
(11) 3772-5000


Empilhadeira

Divulgação: Granmillan
Máquina usada para carregar e descarregar mercadorias em geral, paletes, caixas etc. Existem diversos tipos de empilhadeiras e são mais utilizados em galpões ou espaços fechados. Possuem capacidades diversas de carga, de 1,5 a 7,5 t. Uma com capacidade para transportar 1,5 t sai por R$ 8.600,00 por mês.

Gran Millan
www.granmillan.com.br
(11) 4178-1679


Esteiras rolantes

Divulgação: Rukava

Esse equipamento normalmente não é alugado. Um modelo para transporte de entulho com 500 mm de largura e 50 m de extensão para operar em áreas abertas sai por R$ 75 mil.

Rukava Esteiras Transportadoras
www.rukava.com.br.
(11) 2969-8433

 

Elevadores monta-carga

Divulgação: Equipateck
Esse equipamento tem o número de paradas, as dimensões do cesto, a capacidade de carga e outras especificações determinadas conforme as particularidades de cada instalação. Há no mercado equipamentos com acionamento que usa um conjunto motorredutor que pode, de acordo com a necessidade, variar sua velocidade com o auxílio de conversor de frequência, que proporciona parada suave e precisa.
A média de preço gira em torno de R$ 5 mil por mês.

Equipateck
www.ekipateck.com.br
(11) 3977-8728


Dispensador de entulho cone guia

Divulgação: Locguel
Em geral, são produzidos em polietileno especial de alta resistência ao impacto, os condutores de entulho são compostos por um sistema de tubos modulares cônicos que se interligam por um processo seguro de fixação e conduzem o entulho das obras até o solo.

Locguel Locaçao de Equipamentos
www.locguel.com.br
(31) 3462-9877

Destaques da Loja Pini
Aplicativos