Cálculo IV contempla estudos matemáticos de figuras planas e sólidas | Téchne

Téchne Educação

Cálculo IV contempla estudos matemáticos de figuras planas e sólidas

Conteúdo ministrado no segundo ano de Engenharia Civil da Universidade Mackenzie mostra aplicações práticas no dia a dia da profissão

Renato Faria
Edição 204 - Março/2014
 

Muitos alunos de engenharia civil têm calafrios só de ouvir falar o nome da disciplina de Cálculo. Mas o estudo das técnicas e ferramentas de derivação e integração ao longo dos quatro módulos da disciplina é indispensável na formação do profissional que vai trabalhar com tecnologia, acredita Magda Aparecida Salgueiro Duro, professora de Cálculo Diferencial e Integral IV e coordenadora do curso de graduação em engenharia civil da Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo.

Segundo ela, ao mesmo tempo em que se tornam capazes de estimar com mais precisão áreas e volumes complexos, os alunos que concluem essa jornada de matemática avançada aprendem também a pensar de forma diferente, com raciocínio lógico e criativo mais desenvolvido para resolver problemas práticos do dia a dia da engenharia. Além disso, esses conhecimentos serão necessários ao longo do restante da graduação, em disciplinas profissionalizantes como Fenômenos de Transporte, Hidráulica, Resistência dos Materiais, Estabilidade das Construções e Estruturas de Madeira e Estruturas Metálicas. "Pretendemos que os alunos tenham os elementos fundamentais da matemática para que usem com segurança em situações práticas da engenharia", afirma Magda Duro.

O conteúdo programático da disciplina ministrada no quarto semestre do curso contempla o estudo das integrais duplas e das integrais triplas e das equações diferenciais de ordem superior. Segundo a professora, os alunos enfrentam um pouco mais de dificuldades quando os problemas saem do universo bidimensional e entram no universo de três dimensões. Para acompanhar o desempenho das turmas e, se necessário, ajustar o planejamento das aulas, os professores aplicam pequenos testes ao longo do semestre, que se convertem em pontos de participação extras na média final.

 

FICHA TÉCNICA
Disciplina: Cálculo Diferencial e Integral IV
Nível: graduação
Instituição de ensino: Universidade Presbiteriana Mackenzie
Cidade: São Paulo
Carga horária semestral: 60 horas
Créditos: 4
Semestre ideal:
Pré-requisitos: Cálculo Diferencial e Integral I, II e III

 

Magda reconhece que as ferramentas de Cálculo IV não são aplicadas o tempo todo no exercício da engenharia civil, principalmente na execução de obras. Mas elas se tornam indispensáveis quando o profissional começa a se especializar na área tecnológica, ao cursar um mestrado ou um doutorado. "No Brasil, é notório que precisamos desenvolver mais tecnologia própria. Para isso, as pessoas precisam estudar e se especializar. Isso só acontece aplicando os conhecimentos de cálculo", afirma Magda.

Renato Faria

 

 

Avaliações
Média final = (0,3 x Paie + 0,2 x P2 + 0,5 x Pafe) + Participação

Paie: Prova de avaliação intermediária escrita (nota de 0 a 10).
P2: Prova escrita (nota de 0 a 10).
Pafe: Prova de avaliação final escrita (nota de 0 a 10).
Participação: Atividades realizadas nas aulas de exercícios (nota de 0 a 0,5).
O aluno estará aprovado caso consiga média final maior ou igual a 6 e frequência maior ou igual a 75%.

Ao longo do semestre, os alunos têm aulas teóricas e aulas de exercícios. Em alguns momentos, nas aulas de exercícios, os professores aplicam pequenos testes para os alunos. A participação nessas atividades é computada e convertida em até 0,5 ponto extra na média final. Para os professores da disciplina, isso funciona como um termômetro para avaliar a evolução do desempenho dos estudantes - e reforçar conceitos necessários para aquela turma. Os testes são corrigidos e devolvidos com comentários para os alunos.

 

BIBLIOGRAFIA

- Leitura básica:
Cálculo.
Stewart, J. 6ª edição. São Paulo: Cengage Learning, 2011. v.2.
Equações Diferenciais com Aplicações em Modelagem.
Zill, D. G. São Paulo: Cengage Learning, 2011.
Cálculo - George B. Thomas. Weir, M. D.; Hass, J.; Giordano, F. R. 11a edição. São Paulo: Pearson/Addison- Wesley, 2010. v.2.

- Leitura complementar: Cálculo: Um Novo Horizonte. Anton, H. 6ª edição. Porto Alegre: Bookman, 2001. v.2.
Um Curso de Cálculo. Guidorizzi, H. L. 5ª edição. Rio de Janeiro: LTC, 2009. v. 3.
O Cálculo com Geometria Analítica. Leithold, L. 3ª edição. São Paulo: Harbra, 1994. v.2. Cálculo Diferencial e Integral. Piskounov, N. 18ª edição. Porto: Lopes da Silva, 2000. v.2.
Cálculo com Geometria Analítica. Simmons, G. F.; Hariki, S. São Paulo: Makron Books, 2007.

Os professores da cadeira de Cálculo Diferencial e Integral da Escola de Engenharia da Universidade Mackenzie decidem, em grupo, a bibliografia que será adotada em suas disciplinas. Segundo a avaliação dessa banca, os livros de James Stewart e de George Thomas têm uma linguagem mais acessível aos estudantes de graduação. Já a obra de Dennis Zill é uma das poucas obras disponíveis no Brasil sobre equações diferenciais. "Não temos no País uma variedade muito grande nessa área", afirma Magda Duro.

 Acesse aqui o programa de aulas da disciplina

 


Download Exclusivo para Professores Download exclusivo para professores.
Faça o download do conteúdo exclusivo.

Destaques da Loja Pini
Aplicativos